top of page

 CONTEÚDO 

PÚBLICO IDIOTA - Viajou Sem Passaporte


Legenda: Haspa, foi uma intervenção do grupo Viajou Sem Passaporte, realizada em 1979 em uma das unidades do extinto banco Haspa, no centro de São Paulo. Nela, os integrantes "repetiram", com a ajuda inconsciente do público, um dos comerciais do banco veiculados na televisão. O interesse foi se utilizar das imagens reproduzidas pela televisão a fim de fabricar criativamente um outro "produto", capaz de reconfigurar a relação do consumidor (o público e o próprio grupo) com o objeto. Foto: arquivo do grupo Viajou Sem Passaporte.



Em continuidade ao programa de publicações Maio Insurgente, sobre as primaveras do mundo, realizado entre a GLAC edições e o selo Sobinfluencia, publicados às sexta-feiras de maio de 2020, demos espaço a uma dúvida sobre qual teria sido o maio brasileiro mais potente, capaz de se tornar "relevante" perante a história das insurreições sócio-culturais ocorridas entre 1960 e 1970 no globo. Há muitos exemplos: o chamado popular de Marighella à revolução armada, a atividade no teatro, como com o Teatro Oficina ou o Arena, no cinema com Glauber ou Boca do Lixo, as próprias revoltas operárias no ABC, em Osasco, em Contagem, etc., e mais contemporaneamente, o acontecimento de 2013, as ocupações das escolas em 2015 e 2016 e principalmente o levante das Mães de Maio. São muitos os casos e direções que poderíamos perseguir, mas decidimos dar a entender nosso múltiplo interesse diante as subversões políticas e sociais que incorreram no Brasil com um manifesto que, em nosso ver, diz muito sobre a atualidade do país, que vem sendo alagado pela alienante atividade governamental. Público Idiota foi escrito, reproduzido em mimeógrafo e distribuído em 1978, e se deu a conhecer como o primeiro texto do grupo interdisciplinar Viajou Sem Passaporte, que foi ativo até 1982. Caracterizado pelo teor irônico e forte provocação de seus atos, formado por oito estudantes das áreas de artes cênicas, teatro, cinema, música e jornalismo, o grupo obteve forte relação com o dadaísmo e o surrealismo, buscando sempre instaurar na normalidade vigente crises que pudessem fazer fugir do campo da racionalidade e do controle da direita ditatorial, assim como também da militância da esquerda tradicional vinculada ao Partido Comunista. Segue o documento escaneado, em formato de arquivo, não por falta de transcrição, mas pelo desejo de apresentar a beleza de uma produção autônoma e ativa com verdadeiras entranhas subterrâneas na história do Brasil.



-






*


Viajou Sem Passaporte foi composto por oito estudantes das áreas de artes cênicas, teatro, cinema, música e jornalismo da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, os quais: Beatriz Caldano, Celso Santiago, Carlos Alberto Gordon, Luiz Sergio Ragnole Silva (Raghy), Marli de Souza, Márcia Meirelles, Marilda Carvalho e Roberto Mello.

Atenção

* Esta publicação da GLAC edições é também uma homenagem ao selo parceiro desse projeto, o Sobinfluencia, que lançou seu primeiro livro recentemente. Por uma arte revolucionária independente, de André Breton e Diego Rivera, escrito em 1938, inédito em português, foi uma das maiores referências de criação subversiva do grupo Viajou Sem Passaporte.


Maio Insurgente

* Leia também o outro texto do programa, publicado pelo Sobinfluencia, que diz respeito ao incendiário e também interdisciplinar grupo baiano Etsedron. O selo soltou de um arquivo pessoal a digitalização do programa Projeto Ambiental IV para download, acompanhado por um texto de apresentação do editor da GLAC edições.

Comentários

Não foi possível carregar comentários
Parece que houve um problema técnico. Tente reconectar ou atualizar a página.

 NEWSLETTER 

Está gostando do nosso blog e gostaria de saber com antecedência o que estamos publicando, sem ter que visitar a página toda semana? Se cadastre e receba semanalmente as notícias do blog, pré-lançamentos e promoções para os cursos e afins! 

 CONHEÇA A GLAC 

bottom of page