um piano nas barricadas: por uma história da Autonomia, Itália 1970

marcello tarì

Prefácio à edição brasileira: marcello tarì

Ficha técnica: edição: GLAC e n-1 edições 

projeto gráfico e diagramação: GLAC edições 

tradução: edições Antipáticas (Portugal)

cotejo e adaptação: Andrea Piazzaroli preparação: Gustavo Motta

revisão: Lia Urbini

original: La Fabrique, França, Outubro de 2011, título: Autonomie! Italie, les années 1970

ISBN: 978-65-80421-04-6

Ano: dezembro de 2019

Páginas: 384

leia um trecho do livro.

R$ 65,00

descrição

 Nos turbinados dos filmes sociais e políticos dos anos 1970 na Itália, a Autonomia é apresentada como um método intermediário entre Marx e a antipsiquiatria, a Comuna de Paris e a contracultura, o dadaísmo e o insurrecionalismo, o operaísmo com o feminismo e muitas coisas com outras muitas coisas. Mas, acima disso tudo, a Autonomia apresentou uma descontinuidade profunda com a prática do Movimento Operário oficial. Não era e nunca foi uma organização, mas uma multiplicidade que se organizava a partir de onde residia, trabalhava ou estudava os sujeitos que a deram forma. Na Autonomia, de fato, muitas autonomias específicas surgiram e coexistiram: dos operários, dos estudantes, das mulheres, dos homossexuais, dos prisioneiros, melhor, de qualquer um que escolhesse, a partir de suas próprias contradições, o caminho da luta contra o trabalho assalariado e o Estado, ou seja, um modo reluzente de subversão da vida. Se o Movimento dos anos setenta acabou sucumbindo às forças combinadas da máquina estatal e do Partido Comunista, a história da autonomia destaca-se desse contexto, pois é a de uma aventura revolucionária cuja incandescência atual é mais relevante do que nunca. As relações entre Autonomia e os demais movimentos da extrema esquerda italiana - de Potere Operaio a Lotta Continua, de Lotta Communista ao Manifesto - são explicadas em teoria e ação. Como os grandes momentos da autonomia - um comunismo "impuro", que reúne Marx e a antipsiquiatria, a Comuna de Paris e a contracultura americana, dadaísmo e insurrecionalismo, trabalhadorismo e feminismo". Tarì nunca escreve que autonomia foi o nome de uma organização: deve-se sempre referir-se às autonomias, das trabalhadoras, dos estudantes, das mulheres, dos homossexuais, dos prisioneiros, das crianças "de quem teria escolhido o caminho de a luta contra o trabalho e contra o Estado, a secessão com a fantasia da sociedade civil e a subversão da vida em conjunto com os outros”. E se o movimento acaba sucumbindo sob as forças combinadas da máquina estatal e do Partido Comunista, sua história é a de uma aventura revolucionária cuja incandescência está mais do que nunca presente nos nossos dias.

notícias

lançamentos

em breve

em breve

fique por dentro dos nossos lançamentos, promoções, atividades, conteúdos e projetos assinando nossa newsletter:

PARA LER COM O CORPO!

© GLAC edições 2019

rua conselheiro ramalho, 945,

1º andar, sala 4, bela vista,

são paulo – sp, 01325-001

glacedicoes@gmail.com

cnpj:19.884.010/0001-65

ie: 126.272.212.119

2019. GLAC edições. design e desenvolvimento por Pablo Vieira.

0
  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube - Black Circle