0
  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube - Black Circle
site1_edited.png

TEMPO - Mayra Morales

Atualizado: Jun 16


legenda: máquinas de guerra, mayra morales.


-


O único jeito é uivar


Pa,

deixa te falar sobre o uivo.

Pa,

vou te falar grasnando e grunhindo.

Pa,

deixa te falar

penso ser importante saber de qual povo é você?

não como uma pessoa, uma personalidade, do outro jeito, não o categórico,

o jeito em que a vida se afina, dá seus jeitos.

sabe?

um exemplo.

oi. olá. você é daqueles que congela ou não o pão?

eu congelo, e você?

eu não congelo, muito prazer.

ainda podemos ser amigos, mas às vezes é bom tirar do caminho algumas diferenciações extremamente relevantes.

não para se esquivar, mas só porque também pode ser divertido. é como abrir uma porta.

como com as plantas. começa. você é qual planta?

do sol ou das sombras?

faz toda diferença saber essas coisas!

Pa,

uivar é chamar

Pa,

eu sei que está morto

valeu por visitar meus sonhos no meu aniversário todo ano desde que você se foi

‘data que vivo esquecendo’. melhor assim. quem gostaria de lembrar de uma data dessas?

hehe.

papai, nós somos do povo que uiva.

algumas vezes. na vida. tem estes momentos

em que algo marcante acontece.

ou talvez não. ou pelo menos uma sensação.

mas tem esses momentos

quando você perde a fala. caminhar é uma fantasia.

e então uivamos

haha.

um bebê caminha. [1]

você acha que bebês mosquitos usam fraldas? [2]

Pa,

obrigada por acompanhar minhas histórias

com todos seus silêncios e desvios com todos seus jeitos de dar o fora obrigada por sentar comigo, no meu ombro direito, hoje. é engraçado te ver em uma forma pequena desta vez. mas é de boa também.

lágrimas escorrem pelo meu rosto

de repente, me pergunto

o que está acontecendo? por que hoje me peguei escrevendo para você?

mas, veja, eu não estou escrevendo para você. estou escrevendo ao chamado de um colega. para o uivo dele. para uma isca.

para uma isca que me fisgou antes mesmo que ele dissesse do que se tratava

— porque nós já estamos em meio ao chamado.

o chamado já estava por aí, nós o podíamos sentir —

eu disse SIM antes do convite.

essas coisas acontecem, sabe?

Pa,

será que é porque você morreu por estes dias, alguns anos atrás?

é a marca no tempo que veio me visitar hoje?

será que mesmo que eu não me lembre de datas importantes

uma marca em ciclos se força através das camadas da vida?

e então ela chega quando quiser

como o verão, sabe? como o verão.

ele chega

mas ele não chegou de fato,

e ainda assim estava ali.

rá!

muito divertido.

Pa,

espero que meu ombro esteja confortável. deixa eu pegar uma cadeira pra você. você vai gostar dessa cadeira. rapidinho. vou pegar!

___________ breve descrição de ações ___________

(eu caminho até a estante, me debruço, me pego olhando pro nada

ao lado dos livros, vejo um anel roxo e penso: o que estou fazendo aqui?

eu fico assim um tempo, como se a posição do meu corpo, nessa interrupção do movimento, fosse me dizer algo. [3]

até que: ah! a cadeira! e o corpo se move em direção ao lugar onde a cadeira estava por último à mão. mas ela não está mais à mão).

___________ fim da descrição de ações ___________

oh. a cadeira viajou. eu pego emprestada outra hora e você vai ver. espero que você ainda esteja aqui quando eu pegá-la.

caso contrário, nós teremos uma desculpa para você aparecer alguma outra vez.

Pa,

eu conferi a data da sua morte na timeline do facebook da mamãe.

pois é, facebook, eu sei.

você morreu hoje seis anos atrás.

agora eu sei por que você veio me visitar hoje.

eu chorei a sua morte de novo. mas não estou triste. nem todos os chorares são tristes.

alguns chorares são somente o que verte das fissuras que reabrem de vez em quando.

Pa,

sabe?

é ok. fissurar e verter. [4]

Pa,

eu acho que verdadeiramente não gosto de serpentinas.

obrigada por nunca ter me dado uma,

obrigada pelo pente e pela escova que nunca aprendi a usar

obrigada pelas suas cores. elas eram maravilhosas.

Pa,

esta carta está se escrevendo.

tem sido a testemunha (palavra engraçada)

do meu jeito de esquecer datas

e, no entanto, do jeito como as marcas do tempo aí estão.

quanta alegria.

então Pa,

lembra que você me contava

como os europeus vieram?

e como teve um rolar de cabeças

para matar o gene de outros saberes

os saberes que sabiam do uivo?

os saberes que sabiam das outras formas do tempo?

os saberes que sabiam conversar com pássaros igual ao seu neto?

para eles, uivar era abjeto, inaceitável, não era do Deus deles.

para nós. uivar era divertido. era devir animal. era viver!

era abrir as fissuras e deixar a insurgência da vida atravessá-las

fazer sua passagem!

eu aprendi este ano que para os brancos, os “ditos índios”

não tinham alma, o que eles achavam que era o uivo?

conclusões engraçadas.

eu aprendi este ano que os “ditos índios”,

eles tinham questões sobre os brancos (ou pieles blancas, você costumava chamá-los).

eles são homens ou deuses? eles têm um corpo? eles são de outra natureza?

veja. ‘que tipo de animal era você?’ era a pergunta deles.

sem conclusões, mas experimentadores, investigadores, pesquisadores

do que, não fosse por isso, seria óbvio

você costumava rir da palavra “índio”, se lembra?

um erro de cálculo geográfico, você dizia. Ah!

Pa,

esta é a citação que te falei

é do autor Viveiros de Castro

referindo-se ao Lévi Strauss

estas voltas!....

“Nas Antilhas, alguns anos após o descobrimento da América,

enquanto espanhóis despachavam comissões de inquérito

para saber se os indígenas possuíam alma ou não, estes tratavam

de submergir prisioneiros brancos, para verificar,

com base numa longa e cuidadosa observação, se seus cadáveres

apodreciam ou não” (L-S apud: EVC, 2015: 35). [5]

Pa,

enquanto te escrevo

o vento está uivando hoje.

bonituuuuuuuhhhhhhhhhhhhhhhhhh

adoro as conversas do vento

me seduzem instantaneamente.

Pa,

você costumava apreciar muito me ouvir dizendo

todas as coisas que aprendi hoje, ontem, no outro dia

em troca, você costumava me dizer todos os seus pensamentos

sobre como no futuro a solução para a merda

seria colocá-la em cápsulas miudinhas que voariam para o espaço

haha! você era tão engraçado! ainda é!

Pa,

às vezes uivamos

nós uivamos. e como.

uivamos para os raios do sol nascerem

uivamos para um povo por vir?

uivamos para ‘que tipo de água é você’?

uivamos para assim nos despossuir

para assim conseguirmos alçar àquele lugar não-lugar

onde somos atravessadas

e então viramos o um povo

nós somos por vir. [6]

Pa,

minhas investigações do dia já deram frutos.

jogaram fora a pequena cadeira.

bem. algumas coisas precisam viajar.

como você.

uma cadeira de madeira pequena está vindo.

nós construiremos uma. acho que você irá gostar dela da próxima vez que vier.

garanto que terei tortillas e abacates e sal à mão.

derramar um pouco de sal e então dar um gole.

belo gesto.

seus olhos cresceriam

você se deixava levar por essas viagens

uma larga gargalhada viria depois disso.

Pa,

agora lembrei que você nem gostava de cadeiras, aliás

você preferia vagar

dar uma volta “como um tigre enjaulado” mamãe costumava dizer.

mas você estava sempre a vagar

porque você estava ávido por viver.

sempre quicando pra lá e pra cá.

nunca descansava os calcanhares

como um gato de verdade

sempre à deriva

sempre no movimento

sempre pronto para dançar

e se deixar ir com o vento

eu te vejo agora, parado sobre meu ombro, crescendo um bocadinho

me ensinando que não precisamos de cadeira para sorrir

obrigada

Pa,

eu amo que você sempre precisou tirar muitos cochilos.

‘onde o pa está?’ — ‘tirando mais um dos seus cochilos’

você costumava se deitar do nada e dizia AH!

como alguém diria AH! depois de beber um copo d´água com sede.

Pa,

eu guardo os cochilos para você

eu vivo cochilando

sempre amei os ritmos que te moviam

eram tão suaves e depois tão velozes, como se você nem os sentisse

‘onde o pa está?’ Ele saiu, só para te encontrar em seguida

diante da porta com uma sacola cheia de pães

o que era mesmo o que a gente falava: “tons”

o que são tons? “para los preguntones?” você respondia

“sem jamais mudar sua versão”

eu ainda gostaria de poder provar o sabor dos tons

seus ritmos ainda me acompanham

eles me ensinam tanto

eles abraçam as camadas do corpo que treme

os tremores que se atolam no “tempo imposto, horários, tempo linear”

eu pratico os ritmos de duração das marés. [7]


legenda: máquinas de guerra, mayra morales.


Pa,

já te falei da COVID?

me fez pensar muito nos seus ritmos

e no uivo

a forma que a gente vive o tempo agora é outra

mas não porque se tem pouco ou muito tempo

principalmente porque o tempo, como comentei antes, eu acho, não existe de verdade

quer dizer, sim. mas não no sentido de já estar aí.

tempo é uma co-confecção.

nós fazemos o tempo no caminho.

pois é, vive-se o tempo diferentemente agora. sabe?

porque agora não temos estruturas exteriores onde nos segurar e desde onde criar

deve-se inventar um novo confeccionar.

tem sido fabuloso! de verdade.

deixa te contar.

ainda está aí? crescendo sobre meu ombro?

estou quase acabando, Pa, já sei que está quicando pra lá e prá cá

pra sair para suas outras visitas do dia

muito embora, talvez, já as tenha feito algumas

talvez, mesmo, você faça mais de uma de uma só vez, aha!

Pa,

então, comecei a chamar esse novo tempo da vida

durações da maré

como o mar

o tempo faz ONDAS

vem em ondas

ondulado

janela temporal das durações

neste tempo novo

que é sempre outros tempos

três dias podem ser um longo dia

uma semana uma terça enorme

má me enviou uma mensagem outro dia

dizia algo assim:

“bom fim de semana”

“má, ainda é terça”

“não importa, é isso que o tempo da Covid faz, muda os dias!”

“tô chorando de rir, má”

“hahaha, sim, eu também, May! anedota da quarentena”

“fico feliz de saber que já está vivendo o tempo da maré,

significa que você está se cuidando bem!”

“hahaha, e já desejei bom fim de semana pra todo mundo!”

“claro! estamos todos assim estes dias”

“estou rindo tanto que sou capaz de fazer xixi nas calças”

“eu também”

Pa,

veja isto, é de uns autores que gosto de verdade,

acho que você irá gostar também.

“Harney sugere: … “penso que o chamado, na maneira como o entendo, o chamado, como numa série de pergunta e resposta, a resposta já está aí antes do chamado vir. Você já está em algo”. Você já está nisto. Para o Moten também, você está sempre em meio à coisa

que você chama e pela qual é chamado. “e quando somos chamados para este lugar outro, o fora indômito, ‘o fora do fora’, na terminologia de Moten e Harney, nós temos

que nos entregar a um certo tipo de loucura”. “Moten afirma … a única coisa

que temos a fazer é destroçar esta merda toda”. viu, o única jeito é uivar, rosnar, porque

“há um fora selvagem da estrutura que habitamos e que nos habita”. [8] um fora selvagem de durações da maré.

viu, isto é o chamado e isto é o uivar.

sabe, Pa,

às vezes eu adoraria vagar pela casa

sem camiseta

topless como alguns chamam

às vezes camisas são simplesmente desconfortáveis

me lembra de quando você nos dizia para nos secarmos lá fora

no sol

quando gritávamos para você nos passar nossas toalhas

"não precisa molhar uma toalha" você diria

"o sol está lá,

vão lá fora se secar, aprendam o que o sol pode fazer!"

obrigada por nos ensinar a descobrir

que nós podemos dançar e brincar nuas sob o sol

não. Laban, você não me ensinou isso no Monte Veritá.

Pa,

deixa te falar sobre a passagem para o verão aqui em Montreal

demora um pouco, sabe?

tem esses dois meses alongados

nos quais alguns dias todo mundo fica:

oh, oh, será a primavera? tá quase, tá quase.

acho que a primavera nunca chega de verdade aqui

talvez a primavera seja ela mesma essa longuidão

enfim, mas então, tem essa semana quando você começa a sentir

a mudança mais perto, como se um dia tivesse um cheiro de salgado e doce na brisa

e assim você sabe que o calor está vindo

mas você sabe que ainda precisa usar uma jaqueta porque pode e vai esfriar

então, este ano era dia 20 de maio. eu registrei isso. mas a data não importa tanto.

o engraçado

é que a mudança não é sentida por acumulação

ou como uma progressão gradual. não!

tudo vem como na sensação daquela manhã quando, de repente,

todas as coisas estão lá

a plena floração do verde

o ar agora brilha e não mais uuiivaa

as gotas de suor caindo no meu mustacho

as portas e janelas abertas

uma noite ou um dia inteiro sem jaqueta?

o riso constante das gaivotas

as visitas do gambá

tudo de uma vez

e lá vai você:

como tudo isso aconteceu em um dia?

por que não ontem ou no dia anterior?

e então você sabe, que os últimos meses

foram apenas um único longo longo longo dia!

viu, as durações das marés. [9]

Pa,

você se lembra da expressão: “me lo dijo un pajarito?” um passarinho me contou. meu filho conversa constantemente com passarinhos desde muito pequeno. ao grasnar, nos movemos com um saber sem necessariamente saber no senso comum de saber, um jeito de uivar subcomum.

Pa,

eu escrevi isso há algum tempo, não compartilhei com você antes.

aqui:

"quando você vem de uma geração não linear de um povo indígena que sofreu um massacre de decapitação para que as forças crentes na supremacia colhessem um benefício por causa da raça sem os traços de um pensamento capaz de falar com pássaros… um gesto de fazer cabeças rolarem 'com a ordem' de garantir que um DNA de qualquer pensamento diferencial no mundo não persistisse ou interferisse na 'ideia colonial de um pensamento que deve ser o único e exclusivo'. não tem como você deixar as coisas em paz, você escuta vozes no vento, você escuta vozes em uma linha, você escuta vozes em como a água fala, e escuta uma expressividade da terra fazendo seus gizes de cera de baleias chorando. e nós uivamos!

Pa,

eu gostaria de poder dizer

que escrevi esses pensamentos de uma só vez,

naquele dia,

aquele dia que você estava sentado e foi crescendo

em meu ombro direito

termino de escrever

e você já não está

você se foi

mas tudo bem

as durações das marés nos ensinam

que hoje ainda é anteontem

eu não vou ler para você

como o Preciado, que teve Covid

e escreveu uma bela carta de amor

que jogou no lixo [10]

lerei para o vento

ler para o vento. o vento levará as palavras.

Pa,

quando a Covid começou, muitos de nós tivemos dias

de perder a motivação, por assim dizer

uma frase vinha até nós quando fazíamos qualquer coisa

“pra quê?” “pra que agora?”

um dia acordei com um suspiro suave

“faça isso pelos mortos”, disse.

faça isso por quem se foi,

diga-lhes que um mundo outro é possível,

que embora eles não possam mais, em certo sentido,

você continuará tentando,

de forma que esse pensamento

lhes ofereça descanso e alegria

nessa jornada”

Pa,

oink.[11]

Mayra Morales

tradução de André Arias e Clara Barzaghi

revisão Marina B. Laurentiis


*


Mayra Morales. aka: mm. múltiplos emes. inacreditavelmente triste e alegre ao mesmo tempo. um esquecer constante. cruza caminhos indefinidos. rainha do imediato. precisa fervorosamente de passagens para outros jeitos de viver. em seu tempo livre, escreve virtualmente sua tese de doutorado por uma filosofia do movimento, com o morcego e o sapo como orientadores. gosta de ir aos brechós de montreal com Hani e Kk. insiste em escrever o ensaio jamais escrito sobre a relevância da camisa roxa ou dos botões floridos. sonha constantemente com uma casa com muitas, muitas escadas e passagens. admiradora de criaturas insuspeitas. quando crescer quer ser como matisse (mts). da tribo desconhecida dos greñus, ou o povo dos cabelos desgrenhados. aprecia que grande parte dos dias de anouk (aaaa) estão dedicados a cantarolar depois do banho, na cama, com uma vontade involuntária. dança na cozinha dançares que nunca é capaz de cozinhar. descobre com fascinação que precisa de ter coisas mínimas coladas ao corpo para manter a cadência para captar e colocar os sonhares de volta em sua vida um tanto disparatada. assiste naruto para se inteirar dos deveres de casa que o rígido professor de T envia e acha que as histórias salvam vidas. quer fazer quartos-livros com todas as criaturas do mundo!!! e usa pontos de exclamação mais de três vezes em todo email. ah, mexicana, baseada em montreal.




*


[1] sempre me alegrou ver como os bebês, quando começam a andar, ficam caindo, mas se você lhes dá um apoio pequeno, qualquer coisa para eles se segurarem, então eles andam. Pa, você costumava dar aos bebês uma colher de madeira e ria da magia disso. todos nós precisamos desses gestos para cortar o que de outra forma permaneceria indiferenciado e nos segurarmos neles para viver, uivar é esse apoio, argh-wooooo! uivar também é caminhar.


[2] tive um sonho outra noite em que eu era responsável por trocar as fraldas de um bebê mosquito.


[3] “Levanto-me, por exemplo, para abrir a janela, e eis que, uma vez levantado, me esqueço do que tinha a fazer… não volto a sentar — me; sinto confusamente que me falta fazer alguma coisa. A minha imobilidade não é uma imobilidade qualquer; na posição em que me encontro está como que preformado o ato a cumprir; por isso, nada mais tenho a fazer do que manter esta posição, estudá-la ou, antes, senti-la intimamente, para nela reencontrar a ideia há momentos desaparecida”. Ver Henri Bergson, Dados imediatos da consciência. Lisboa: Edições 70, 1927.


[4] Esses furos (uivos) não podem ser fechados, os furos só precisam da multiplicidade de movimentos para sentir as bordas e perceber que eles nunca foram buracos para começar!


[5] Metafísicas canibais. São Paulo: N-1 Edições & CosacNaify, 2015.


[6] “O escritor se serve de palavras, mas criando uma sintaxe que as introduz na sensação, e que faz gaguejar a língua corrente, ou tremer, ou gritar, ou mesmo cantar: é o estilo, o ‘tom’, a linguagem das sensações ou a língua estrangeira na língua, a que solicita um povo por vir”. Ver Deleuze & Guattari, O que é a filosofia? São Paulo: Editora 34, 2010. (p. 228)


[7] Bergson fala muito de duração. adoro sua proposição. um tempo sempre-cambiante em concatenação. como o mar. ele fala do passado viver no futuro. pode isso? não é o que é possível que cria o futuro, mas o contrário, é o futuro, retrospectivamente, que cria o passado como possibilidade. não era possível antes de acontecer. só quando acontece no futuro então pode-se considerar como possível no passado. se considerarmos o tempo como duração somente por tornar-se real ele “terá sido” possível. Ver Bergson, O pensamento e o movente. São Paulo: Martins Fontes, 2006. outra maneira de sentir isso é o que eu disse para a lili outro dia: não há caminho antes do caminhar, caminhar faz o caminho! Ver Bergson, Ensaios sobre os dados imediatos da consciência. Lisboa: Edições 70, 1927.


[8] Ver Moten e Harney, The Undercommons: Fugitive Planning & Black Study. Wivenhouse; New York; Port Watson: Minor Compositions, 2013 e Halberstam, The Wild Beyond with and For the Undercommons In: The Undercommons: Fugitive Planning & Black Study.


[9] durações das marés também se deslocam com a proposição de tempo retrospectivo. adorei o dia em que a lili me disse: “não acredito que esta estante não estava aí antes” e eu lhe disse “mas estava”. é a memória do futuro. porque no passado não poderia não estar lá. é o que eu chamo igualmente de “tu podes senti-lo enquanto lava a louça, está aí, te chamando”. tipo, o futuro faz o passado e o passado já vive no futuro. o presente pode muito bem ser apenas um mero gênero de erro de cálculo geográfico! hehe. “é preciso introduzir uma outra forma de memória. não se trata mais de uma memória do presente (contração) nem de uma memória do passado (lembrança), trata-se de uma memória do futuro, para o futuro.” Ver Lapoujade, Potências do tempo. São Paulo: N -1 Edições, 2017. Tradução de Hortência Santos Lencastre. (p. 25).


[10] Ver Preciado, P. A conspiração dos perdedores.


[11] Sobre grunhir, ver Manning, The minor gesture (2016). Durham and London: Duke University Press, 2016 (165-177), em especial o capítulo 7 In the act: the shape of precarity que trata do Pelbart e do Guattari.



*


A palavra é vírus

Simultânea e paralelamente à pandemia do novo coronavírus, muitas palavras também ganham a insistência das repetições. A cada segunda-feira, um novo ensaio pensando com as palavras. Quer saber mais sobre a série? clica aqui

Editores: Wander Wilson e André Arias. E-mails de contato: wanderwi@gmail.com / andre.fogli@gmail.com



155 visualizações

fique por dentro dos nossos lançamentos, promoções, atividades, conteúdos e projetos assinando nossa newsletter:

PARA LER COM O CORPO!

2019. GLAC edições. design e desenvolvimento por Pablo Vieira.

© GLAC edições 2020

 

rua conselheiro ramalho, 945,

1º andar, sala 4, bela vista,

são paulo – sp, 01325-001

cnpj:19.884.010/0001-65

ie: 126.272.212.119